31.08.2014

006

Em entrevista recente ao Sunday Night, da Austrália, Miley falou um pouco sobre seu passado, presente e futuro como artista e pessoa. Confira abaixo o vídeo e a tradução do mesmo, logo a seguir.

Miley: Sinto como se eu fosse um programa, às vezes. E eu estou esperando alguém para chegar para mim e falar “HAHAHA, isso é uma piada, todos estão te assistindo desde que você é uma criança”, o que não deixa de ser verdade, sabe.

Eu acho que as pessoas nunca sabem o que esperar de mim

Eu não podia viver a vida que eu vivia dois anos atrás e estar fazendo o que eu faço agora. Sinto que meu trabalho agora é ser essa figura de mulher forte. Eu so quero fazer a musica que eu amo

Entrevistadora: Miley Cyrus, hoje com 21 anos, nasceu na terra aconchegante da musica country, Nashville. Seu pai, Billy Ray Cyrus, deu ao mundo, isso:

Quando criança, Miley entrava em turnê com seu pai famoso. Ela era uma artista de sangue e, com o apoio de Billy Ray, teve sua explosão quando era ainda uma garotinha

Em 2006, a Disney contratou Miley como Hannah Montana: garota normal de dia, estrela do pop à noite

Seu pai interpretava seu pai e sua madrinha, Dolly Parton, estrelava como sua madrinha

Miley: Acho que as pessoas pensam que teve um tempo que eu estava fingindo, ou que aquela era a “antiga” eu e agora sou a “nova” eu. Não é isso. Aquela era eu naquele momento. Tudo o que eu falava ou fazia, eu estava sendo verdadeira comigo mesma, assim como eu faço hoje. Eu amava fazer aquilo naquela época.

A transformação de Miley de estrela de TV para estrela do pop foi intensa.

Entrevistadora: Então, você está pronta para subir ao palco?

Miley: Sim. Aqui vamos nós.

Entrevistadora: Agora ela é uma super estrela. Essa noite, o estádio onde ela performará está lotado, mas Miley tem outra coisa em mente: o novo membro de sua família.

Miley: Eu acabei de ganhar uma porca, olha. Eu não tinha noção do quanto iria a amar. Seu nome é Bubba Sue, ela daqui a pouco será famosa no Instagram. Me perguntaram “você quer um pequeno?” Eu falei “não, eu quero uma que fique gordona”.

Entrevistadora: Você não tem que ir para la?

Miley: Sim, eu tenho que subir ao palco. Me desculpe sobre a porca, eu estou muito animada.

A energia de todos esses shows tem sido muito louca. O que o show representa é liberdade para os brincalhões. Sinto como se eu pudesse fazer qualquer coisa. Sinto-me como uma criançona.

Entrevistadora: Sua entrada no palco é louca
Miley: Sim, é muito legal
Entrevistadora: Como é escorregar-se na própria língua?
Miley: É meio que a parte mais divertida do show. É muito veloz. Não dá pra ver mas, de verdade, eu ganho muita velocidade e eu chego ao chão muito rapidamente, mas isso me dá meio que um começo.
Entrevistadora: Tenho que te dizer, sua voz é incrível
Miley: Obrigada.
Entrevistadora: Você precisa de algo fertilizante?
Miley: Eu não preciso, mas eu sempre quero porque não posso e é divertido e eu sempre fico muito animada para fazer o show.

Entrevistadora: O que é atraente em se despir?

Miley: Eu acho que… Bem, isso é o que eu gosto de vestir, sabe? Eu não penso muito sobre isso.

Entrevistadora: De onde vem a auto-confiança para fazer isso? Tem que ser muito confiante para fazer esse tipo de coisa

Miley: Eu nunca penso sobre o que os outros vão pensar. Eu sempre gostei de moda e cresci com Dolly Parton que foi tipo, ela é tipo… Peitos e todo aquele corpo! E ambos os meus pais têm seus corpos cobertos de tatuagem. Quando eles nos ensinavam a como ser no futuro, era sempre para que fôssemos boas pessoas, e não “você deve fazer isso por que se não fizer as pessoas vão pensar tal coisa sobre você”.

No VMAs de 2013. Seu dueto com Robin Thicke foi visto como uma exploração da mulher. Como você veria isso?

Miley: Claro que ninguém falou sobre ele, sobre o que ele estava fazendo. É tudo minha culpa, eu sou a pessoa e tal. Mas eu nunca pensei nada sobre isso como “ah, esse é um cara casado com quem eu estou dançando, isso é estranho, impróprio…”. Isso foi o que estava na cabeça de todo mundo.

Acho que estou apenas falando um pouco pelas mulheres para que elas possam ser elas mesmas. É engraçado porque Elvis não usava a roupa que eu usava, mas ele vinha e fazia o twerk de gângster também. Ninguém admite que o Elvis estava fazendo aquilo mas estava. Ele era o sexo, ele era o símbolo do sexo. Ninguém nunca chamaria o Elvis de prostituto ou galinha por que ele não era uma garota. É desse padrão duplo que eu estou falando: mulheres devem poder demonstrar sexualidade tanto quanto homens e não serem chamadas de nomes feios por causa disso.

Entrevistadora: Eu acho que muitas pessoas olham para você e pensam que e uma interpretação extrema de sexo, drogas e rock ‘n roll. Por que está muito lá fora e dizendo que o Elvis usava aquelas roupas e fazia o twerk e tal. Talvez no seu tempo ele estivesse certo. Mas você parece ter chegado a um momento na sua vida no qual você tivesse um ponto a provar.

Miley: Eu não sinto como se tivesse que provar nada a ninguém, esse é o ponto. Tudo que eu faço é meio que para mim e para a minha própria felicidade, e é por isso que eu sou tão feliz. As pessoas não conseguem acreditar no quão centrada eu sou.

Com uma carreira exigindo tanto, Miley não tem muito tempo sobrando para sua vida pessoal. Seu relacionamento mais sério foi com o ator australiano Liam Hemsworth. Eles fizeram um filme juntos em 2009. Ficaram noivos em 2012, mas terminaram ano passado. Em meio à separação, Miley lançou seu vídeo mais provocante.

Entrevistadora: Seu álbum fala sobre término de namoro, é muito bom.

Miley: Obrigada. Não é só sobre o término.

Entrevistadora: É sobre amor também.

Miley: Eu acho que eu estou falando mais com as mulheres. Não só porque eu passei por um término de relacionamento. Eu amo Liam, o Liam me ama. Nesse caso, o importante é encontrar a si mesmo. Às vezes você tem que se separar do resto do mundo. Eu tive que me tornar essa pessoa, essa que está sentada nessa cadeira. Se eu não tivesse feito isso… Eu sentia que tinha algo dentro de mim que estava para explodir e eu tinha que me tornar livre.
Acho importante que as pessoas percebam que temos nossas próprias vidas e devemos fazer o que nos torna mais felizes. Eu falo para as pessoas: ir para a boate não te faz uma má pessoa, assim como ir para a igreja não faz de você uma boa pessoa. Sentar de tal jeito, vestir-se adequadamente, falar de tal modo. Nada disso te faz uma boa pessoa. No final do dia, eu posso usar as piores roupas no palco, mas se eu passar por alguém que precise da minha ajuda ou com quem eu sinta uma certa conexão, eu não consigo evitar, não consigo me controlar, eu vou ajudá-lo. E isso faz de mim o que eu sou.

Entrevistadora: Se você não acredita, veja o que Miley fez semana passada

Miley teve alguém para receber seu prêmio no VMA.

Essas pequenas coisas que Miley faz não causam notícias. Ela usa as redes sociais para se conectar com seus fãs mas é, também, onde ela está sendo mais contradita, ao postar fotos de si mesma fumando maconha.

Entrevistadora: Drogas, o que você pensa sobre drogas?

Miley: O que eu acho? Bem, eu não faço apologia a nada que eu faça em minha vida pessoal e eu tento deixar a maioria das coisas lá. Sei que eu posto fotos no Instagram de mim mesma fumando maconha, não vou mentir, mas é assim mesmo. Eu cresci num meio onde isso não era errado. Eu não faço nenhuma apologia. Minhas músicas até falam sobre isso, mas não é como se eu sentasse lá e falasse para os jovens se drogarem, sabe?

Entrevistadora: Eu li outro dia que você fez uma tatuagem que diz “love your brain” (ame seu cérebro). Já te incomodou o fato de que drogas podem afetar seu cérebro?

Miley: Sabe o que machuca o cérebro? Pôr meu nome no Google. Sabe o que machuca o cérebro? Instagram. Sabe o que machuca seu cérebro? Ler os comentários no Facebook. Sabe, eu tenho uma irmãzinha de 14 anos e eu vejo os comentários no Facebook dela de gente a chamando de vagabunda e ela só tem 14 anos e eu acho que ISSO é causar dano ao cérebro.

Entrevistadora: E os comentários que você faz? Você outro dia tweetou: “eu odeio fazer as malas” o que é tranquilo…

Miley: Que é como se fosse “eu odeio você”.

Entrevistadora: …e alguém tweetou de volta: “espero que você tenha câncer”. Como você se sente quando isso acontece?

Miley: Eu não penso muito sobre isso por que acima desses comentários feitos muitas vezes por robôs ou simplesmente pessoas que não são felizes com a própria vida, tem os comentários do tipo: “você salvou minha vida”, “sua música salvou minha vida”, “você é a minha maior inspiração”, etc. E ler esses é muito mais legal que ler os outros que tentam me deixar para baixo.

Entrevistadora: Aos 21 anos, Miley Cyrus é uma cantora e compositora. Uma mulher com uma voz e algo para falar.

Miley: Já passei meu tempo fazendo o que as pessoas queriam que eu fizesse ou o que uma corporação queria que eu fizesse. Agora quero esquecer o passado e fazer o que eu quero fazer. E eu acredito que quando você faz as coisas puramente, por gostar de fazer, pela felicidade, eu acho que não existe nenhum jeito de você sair perdendo, de dar errado. Acho que o universo é justo nesse ponto.

Entrevistadora: O que você esta tentando dizer as pessoas?

Miley: Seja livre, seja você mesmo, seja feliz, leia livros, ajude animais, isso é tudo. Ah, e divirta-se!

Tradução: Valentina ilustre dedicada linda maravilhosa fenomenal gostosa engraçada dedicada inteligente Porto – Equipe MCBR


Publicada por: Miley Cyrus Brasil
relacionado
20.09.2020
relacionado
19.09.2020
relacionado
17.09.2020
relacionado
11.09.2020
comente a postagem!