06.03.2015

Miley Cyrus "Bangerz" Tour - Los Angeles, California

Wayne Coyne não sabe ao certo o que vai acontecer com todo o trabalho que sua banda e Miley Cyrus estão fazendo juntos, só [sabe] que eles continuarão a escrever em parceria.

“No momento nós trabalhamos nas coisas conforme elas vão surgindo, então uma parte de tudo isso parece ser apenas um trabalho que estamos fazendo com Miley, mas estamos trabalhando nisso também como um todo. Fazemos uma música então a adicionamos a ela. Fazemos mais da música e ela é adicionada à música novamente,” Coyne explicou à Billboard quando estivemos com ele no vestiário de “Shaun White’s Air + Style” recentemente. “Acredito que tenha uma serie de musicas no estilo de Miley Cyrus mas com The Flaming Lips em seu álbum. Aí temos uma série com as mesmas musicas no nosso álbum, mas no nosso soa como Flaming Lips. Mas é a mesma música”

A fama de Lips tende a ser por seu hábito de fazer álbuns inesperados, diferentes. Lançamentos fora do comum não os assusta, nem um pouco. Quando foi dito que talvez um álbum do The Flaming Lips e um de Miley Cyrus com versões diferentes das mesmas músicas fosse interessante, Coyne se anima.

“Estamos considerando esse tipo de coisa,” ele disse, “Uma parte disso seria como se ela tivesse escrito uma parte da música e nós colocamos no nosso estilo, aí nos escrevemos a outra parte da música e ela coloca no estilo dela. Para mim, tentar juntar as duas coisas dessa maneira e dizer “É isto” não daria muito certo. Por que não apenas dizemos que vai acontecer? Desta maneira, é bem provável que, de fato, aconteça”

A este ponto na carreira da banda, os Flaming Lips já ultrapassaram qualquer meta que o grupo Oklahoma possa possivelmente ter estabelecido no começo. The Flaming Lips já fez uns 16 ou 17 álbuns e não temos mais esse nome todo” Coyne explica.

O cantor do The Flaming Lips contou a Billboard sobre o por que ele e Cyrus trabalham tão bem juntos, seus planos de se unirem, sairem juntos em turnê e como eles influenciam o estilo musical um do outro.

Como está indo seu novo álbum?

“Bem, temos alguma coisa mas ainda não temos nenhuma data de lançamento em mente. Estamos fazendo muita coisa com a Miley Cyrus, escrevendo canções com ela e meio que fazendo ambos álbuns ao mesmo tempo. Acho que ela está nos influenciando mais do que poderemos influenciá-la, mas é para o melhor.”

Como assim?

Ela está sempre a mil quilômetros por hora e não tem insegurança. Ela não tem filtro ou limite. Ela nunca pensa “eu não posso falar isso”, ela pensa “eu vou falar isso.” Por que ela influencia o jeito que eu canto e eu influencio o jeito que ela canta. Ou estamos arruinando um ao outro ou estamos nos ajudando.”

Vocês fariam uma turnê juntos à la Dylan e Petty, como Lips e Miley fazendo seu próprio set?

“É muito mais como “se você gosta de Bob Dylan você gosta de Tom Petty também e estariam todos já no mesmo espírito, enquanto eu acho que Miley Cyrus e The Flaming Lips são duas versões completamente diferentes do inferno se combinando. Mas um fã verdadeiro de Flaming Lips ama a Miley por que ela é louca, e existe uma parte dos fãs de Miley que nos ama por que a gente está pouco se fodendo e somos pirados também. Eu fui a alguns shows de Miley e pude perceber que não importa onde ela vá, este lugar será completamente preenchido com meninas de 17 anos que são apaixonadas pela Miley e nem notariam os Flaming Lips. E eu não sei quantos fãs dos Flaming Lips gostariam de comparecer por que eles geralmente gritam tão alto que você não consegue nem entender o que está acontecendo no palco, na maioria das vezes. É uma noite cheia de gritos, o que é ótimo e emocionante, mas se você está lá para ouvir musica não sei se é o melhor lugar. Então acho que faríamos algo como “Este é um show da Miley e os Flamming Lips estão com ela”.

Eu me lembro de ver Eric Clapton tocar guitarra para o Roger Waters e ele comentou o quão bom foi não estar tão na frente dos holofotes. Você se sente assim tendo que dividir o palco com outro cantor?

De certa maneira, eu acho que todos os cantores gostam disso. Porque você deve realmente incorporar outra identidade e pensar da mesma maneira que eles. Mesmo pensando em letras que ela iria cantar, ao contrário das que eu cantava, eu as faço e depois as pessoas ouvem e ficam “essa é uma letra legal”. E eu fico tipo: “Eu sei, mas não é para mim, é para ela”. De qualquer maneira, todos os artistas estão tentando fazer isso, você está tentando se tornar um personagem diferente e para qualquer coisa que a vida te levar, você aceita e pronto”.

Fonte: Billboard | Tradução por Valentina Porto – Equipe MCBR


Publicada por: Giovanna Bianchi
relacionado
18.10.2020
relacionado
17.10.2020
relacionado
16.10.2020
relacionado
31.08.2020
comente a postagem!