15.06.2015

Em um estúdio de fotos em Hollywood, Miley Cyrus está correndo por aí com um macacão amarelo e sapatilhas brancas brilhantes. Mas hoje, ninguém está tirando fotos dela, exceto pelas selfies que seus amigos estão pedindo para tirar e levar com eles, o que ela faz com um sorriso, e às vezes com a língua de fora. Hoje, a estrela pop de 22 anos é a fotógrafa, tirando fotos de pessoas que se identificam como transgênero.

Eles são as estrelas de uma nova campanha de justiça social chamada “Happy Hippie Presents #InstaPride“, uma colaboração entre Cyrus e o Instagram que começa dia 15 de Junho em um esforço para aumentar a conscientização e aceitação de pessoas em todos os tipos de gênero. Cyrus está usando sua plataforma para focalizar a atenção pública em cerca de 12 sujeitos cujos retratos ficarão no Instagram com #InstaPride.

É um dia de afirmação para pessoas como Davis, uma mulher transexual birracial que está sentada em um sofá sob balões prateados gigantes que soletram a palavra “AMOR” em letras maiúsculas. Ela está ao lado de seu noivo, um homem transexual chamado Myles Brady, que prefere deixar Davis falar. Como Cyrus instruiu um adolescente transexual a ficar sem camisa, Davis lembra de sua juventude em Omaha, Neb., onde ela diz que cresceu ouvindo sua família dizendo “Não, não, não. Você não pode ser isso“. Logo ela estará em um vestido de lantejoulas, com Cyrus e todos os outros bajulando e dizendo o quão bonita ela está.

Qualquer pessoa deve ser capaz de expressar o que sente, sem dúvidas, e ser capaz de viver“, diz Cyrus. “E usar as porras dos banheiros públicos“.

Happy Hippie é uma organização sem fins lucrativos focada em ajudar os jovens sem-teto e LGBT que Cyrus lançou no início deste ano, em parte como resposta à morte de Leelah Alcorn. Alcorn era uma garota transexual de Ohio que se matou no tráfego depois, de acordo com sua nota de suicídio, os pais dela terem colocado-a em uma terapia de conversão. (“Eu amava meu filho“, a mãe de Alcorn disse à CNN em Janeiro. “As pessoas precisam saber que eu o amava“).

Pessoas como Leelah não estão vivendo suas vidas porque as pessoas estão dizendo-lhe como ser. E há mulheres a centenas de quilômetros de mim que estão autorizadas a mostrar, no máximo, os seus olhos. Eu posso estar em um palco com os peitos para fora“, diz Cyrus. “É tão injusto que eu possa fazer isso e dois homens não podem se casar em Nashville nesse momento“.

Os retratos e as pessoas contidas neles têm o objetivo de servir como exemplo positivo para os jovens que poderiam estar lutando, bem como ponto de referência para aqueles que podem conhecer pessoalmente alguém que não se sente em casa em seu próprio corpo. Apenas 9% dos americanos dizem que têm um membro na família que é transgênero – uma população que experimenta a a pobreza, falta de moradia e assédio a taxas bem mais elevadas que a população em geral.

A campanha #InstaPride vem em um momento em que a Palavra T é cada vez mais onipresente, cortesia de ícones como Laverne Cox. No banheiro em que Cyrus está fotografando, uma televisão está ligada no canal CNN, onde duas pessoas estão discutindo recentes revelações sobre Bruce Jenner, que estará como Caitlyn Jenner na capa da Vanity Fair.

As pessoas que Cyrus está focalizando em sua câmera não são susceptíveis de estar em uma capa de revista. Muitos deles estão em um “Isso está realmente acontecendo?“. Torpor. “Alguém famoso olhando para você e dizendo ‘Ei, eu estou olhando pra você, eu sei quem você é, e eu comemoro por você’ significa o mundo“, diz Mariana Marroquin, que fugiu da Guatemala ainda adolescente porque sua família temia a segurança. Agora, em Los Angeles, ela ajuda imigrantes que “não podem ser eles mesmos” em seus países de origem.

Seu colega Alex Schmider também está aqui. “Assim que eu ouvi sobre esse projeto, eu fiquei marcado“, diz Alex Schmider enquanto ele vê Cyrus. O jovem transgênero achava que era lésbica até que finalmente ouviu o termo “transtorno de identidade de gênero“, enquanto estava em uma aula de psicologia aos 22 anos.

Nearby é um jovem do ensino médio que orgulhosamente anda por aí sem camisa, mostrando seu peito masculino que sua família pegou um empréstimo para financiar. Tyler Ford, que cresceu com a estrela pop Ariana Grande em Boca Raton, Fla., prefere o pronome “eles” e se identifica como um agender – termo usado para quem sente que não há sexo em tudo. Enquanto isso, Brendan Jordan está andando em botas de salto alto e uma capa translúcida que trouxe de casa. Quando perguntado se ele é “ele ou ela“, ele simplesmente responde “Eu sou Brendan“.

As paredes do estúdio estão decoradas com serpentinas amarelas. Há balões amarelos e prateleiras cheias de jiboias artificiais, vestidos, etc. A cor, Cyrus disse, é feliz e não sexualizada: não há nenhum rosa ou azul. Assistentes despejam brilhos.

Muitos deles trouxeram membros da família junto. Leo Sheng, um estudante da University of Michigan, está em Hollywood com suas duas mães. Vestindo camisetas amarelas, elas dizem que aceitar Leo no começo foi nada fácil. “É muito assustador pensar sobre o seu filho sendo, possivelmente, ser rejeitado. Há estigmas sociais“, diz sua mãe, Nancy Barton. “Se pudéssemos fazer tudo de novo, eu acho que o teria aceitado mais facilmente no início e estaria mais confiante em apoiá-lo“.

Jordan, também, está lá com sua irmã Hailey e sua mãe, Tracy. “Toda a família abraçou totalmente, porque ele está feliz agora“, diz Tracy.

A campanha nasceu em uma campanha entre o Instagram e Cyrus, que ofereceu-se para dar impulso em seu produto; eles discutiram características possíveis como permitir que os usuários designem “palavras sensíveis“, proibindo certas palavras de aparecer no feed.

Cyrus é uma aliada apaixonada, embora com toda atenção voltada para os transexuais americanos nesse momento, alguns na comunidade se questionam se as celebridades que tomam as suas causas estão fazendo tanto o mal quanto o bem. Mesmo as pessoas fotografadas tinham um certo ceticismo sobre Cyrus.

Você tem todos esses medos que você normalmente tem quando alguém fora da comunidade tenta correr e nos salvar“, diz Martela enquanto ela organiza a prateleira de roupas amarelas. “Então, muitas vezes isso é um desastre. Mas, então, vendo o que ela está fazendo – ela está trazendo pessoas da comunidade e realmente parece ter feito sua lição de casa“.

Gigi Gorgeous fica nas proximidades recebendo o pó no rosto, com seu publicitário e empresário pairando. Ela é uma sensação do YouTube, que tem postado vídeos nos últimos 6 anos – a partir de um momento em que ela estava apresentando como um menino até o presente, que se tornou um ícone rechonchudo. Ela muitas vezes usa roupas da marca Barbie e se parece com uma boneca gigante, sentada em uma cadeira com os olhos azuis e cabelo loiro, juntamente com a maquiagem feita. Mas ela também tem 23 anos de idade, e sua mãe morreu antes de ela ter ao menos contado sobre sua realidade de gênero. “Ela nunca soube. Talvez ela soubesse. Mas nunca conversamos sobre isso ou coisa do tipo. Era uma espécie de fator decisivo para mim. A vida é muito curta“.

A única espécie de celebridade que apareceu foi uma de quando ela fez twerk no VMA 2013, quando Cyrus liga a música e todos se reúnem para uma sessão de dança. Cyrus faz todos os tipos de movimentos possíveis. Assim, parece como uma tentativa de fazer com que todos se soltem.

Em lugares como Indianapolis, você pode dizer a alguém que se eles são trans ou gays, eles não podem usar o banheiro público“, diz Cyrus, que faz referência ao direito a “liberdade religiosa” aprovada no início do ano que já foi revertida. “Não importa o que eu faria, eu provavelmente estaria autorizada a entrar lá. Essas pessoas são reais. Eu não quero estar em qualquer lugar em que elas não podem ser“.

Fonte: TIME 


Publicada por: Henrique Silveira
relacionado
18.10.2020
relacionado
17.10.2020
relacionado
16.10.2020
relacionado
31.08.2020
comente a postagem!