24.08.2020

Divulgando Midnight Sky, Miley concedeu diversas entrevistas a rádios e podcasts.

O MCBR decidiu traduzir todas elas e você pode conferir agora a entrevista de Miley ao Up Next.

Tradução: Pedro Onofri – Equipe MCBR

Miley: Olá
Entrevistador: Oi! Como você está?
M: Estou muito bem.
E: Cenário fantástico a propósito. Parece que estou para entrevistar uma grande A-list estrela de filme que está promovendo seu filme!
M: Bom, você está claro!
E: Que beleza (risos)! Então, vamos ter um filme novo nesse verão?
M: Na verdade não. Estive ocupada, mas não tão ocupada.
E: Ok. Primeiro de tudo, como você está, sua família, todos estão bem e em segurança?
M: Com apreciação, posso dizer que todo mundo da minha família está ótimo, em segurança e muito saudável.
E: Muito feliz em ouvir isso. Eu ouvi a música hoje e, não estou exagerando, é boa pra caramba Miley, muito boa. 
M: Muito obrigada. De novo, eu acho que todas as músicas são um parto do coração, e esse eu estou muito conectada. Eu tive dificuldade com o processo de produção do álbum, especialmente lançando música porque eu costumava fazer os físicos, eu costumava sabe, autografar os CDs. Você sempre tinha que entregar o álbum 6 meses antes de todo mundo ouvir porque tinha que fazer todos esses físicos e agora, eu escrevi essa música 4 a 6 semanas atrás, então é super relevante e exatamente onde estou agora e eu não tive que esperar, foi tipo “eu fiz, isso que eu quero dizer, eu vou dizer”, e isso é uma coisa que eu acho que está dando a ativistas tanto poder, tipo se você tem algo a dizer… Claro, também dá voz para pessoas que não deveriam ter a voz, mas você é permitido a dizer o que quer falar, quando você quer falar e agir no tempo. Esta é a primeira vez na minha carreira que eu estou tirando vantagem disso, então estou muito animada.
E: Eu estava pensando nisso enquanto eu ouvia a música nova, não tinha a menor ideia do que esperar. E eu não queria ter nenhuma noção pré concebida, não sabia se ia ser uma música devagar, normal, rápida, inspiracional. Eu meio que fui escutar a música com a mente aberta e que bom que eu fui, porque não foi nada do que eu poderia esperar. E enquanto eu ouvia, não sabia se você tinha criado isso antes da pandemia, em Janeiro e esse era o plano ou se isso era algo que você estava sentada em casa se sentindo criativa e pensou “deixa eu ver o que eu posso criar” e BOOM, aqui está.
M: O que é muito especial sobre isso é que na verdade, tinha outra música do meu álbum que iria ser single que eu sentia ser extremamente na hora certa, e eu auto dirigi Midnight Sky, mas eu estava dirigindo outro vídeo, e sabe, tem sido tão bom que todos nós temos expandido criativamente porque temos que fazer as coisas por conta própria e de uma outra maneira. Então, eu estava escrevendo o vídeo para outra música e eu e Andrew Wyatt, somos parceiros criativos e colaboradores, chamei ele para minha casa, “vem aqui, senta comigo, enquanto eu escrevo aqui, vamos pedir comida, relaxar”, e ele disse “estive pensando em você a semana toda e eu escrevi essa música, e mal posso esperar para esse vídeo ficar pronto, pra voltarmos ao estúdio e fazer música de novo” e a tocou. E eu senti que ele me entregou um diário, que estava iluminado e acorrentado a mim dizendo o que estou sentindo, foi mágico. Senti que essa track puxou sentimentos e pensamentos que eu tinha armazenado dentro de mim que eu não sabia que tinha que ser expurgado. Foi incrível como entrou dentro de mim, e tirou tudo pra fora e foi pra superfície. E eu escutei a música em uma sexta, escrevi em uma segunda e gravando o vídeo em um sábado porque eu já estava preparada para esse outro vídeo. Então foi capaz de acontecer naturalmente, num sentido que se eu não estivesse fazendo nenhuma outra música, talvez nunca fosse capaz de acontecer assim, tão rápido. Então foi um presente total.
E: Uma das coisas que eu amo em você, como artista, é como você é versátil. Você consegue literalmente fazer qualquer coisa e mergulha de cabeça, musicalmente e criativamente. E o clichê que escutamos “é o novo capítulo, a nova era, a nova Miley” e eu não odeio isso, mas me incomoda porque quando se escuta isso, meio que insinua que fechou algo prévio. E eu sinto que você é quem é hoje e onde está, por causa de todos os “capítulos” anteriores.
M: Absolutamente. Eu tenho tentado deixar bem claro que essa não é uma nova ideia. Eu estava dizendo que eu tenho vídeos meus cantando “Smells Like Teen Spirit” na tour da Hannah Montana, o que não era a preferida da plateia. Eu também cantei do Johnny Cash “Boy Named Sue”, o que ninguém pegou, então essa meio que tem sido eu. Eu sempre explorei gêneros diferentes e eras e coloco na minha música e às vezes eu faço cover de algo como Nirvana enquanto eu era Hannah Montana, não tem nenhuma relação mas essa sou eu. Então não acho que é uma nova ideia, seria muito estranho dizer que é uma nova ideia, eu tenho feito covers das músicas de Stevie Nicks desde que eu tinha 10 anos de idade e (a música) obviamente tem relação com Stevie Nicks.
E: Com certeza. E você mencionou Andrew Watt, um dos maiores produtores musicais hoje em dia, alguém pra você realmente ficar de olho nos próximos anos, mas também nosso cara de Long Island Jonathan Bellion. O que têm nesses dois individuais, artisticamente e musicalmente e até de personalidade, que te fazem se sentir atraída musicalmente?
M: Eu nunca ouvi um “você não pode dizer isso” deles. Isso é a liberdade que eu procuro. Especialmente que a música brinca com gênero. O primeiro refrão “vejo seus lábios na minha boca” e o segundo “vejo as mãos dele ao redor da minha cintura” essas são conversas pessoais que só agora estou ficando confortável em ter, e os criadores que eu me cerco são aqueles que dizem “essa é sua história, escreva, diga de uma perspectiva que é real para você” e não incluir o mesmo gênero que o meu não seria a história que eu queria contar e eu só acho que o fato que eles não falam “oh, você não pode dizer isso”, eles sentiriam que as pessoas não poderiam se relacionar com isso mas elas podem e com elas que eu estou falando.
E: E essa é quem você é. Você sempre foi sem remorso em ser quem é. Você sempre foi quem deu o passo à frente e liderou, seja em alguns problemas sociais, ou até musicalmente, sempre foi uma voz, não só para a audiência mas para colegas artistas. Você deve se sentir como sua “você antiga”. Meio que perdeu aquele seu espírito “vou dizer o que eu quero”, não na personalidade, sempre esteve com você, mas na música. Sente-se bem agora que está “em casa” com a música, agora que está na fase mais confortável?
M: É interessante que tenha falado isso, e é até interessante que você disse isso porque, na verdade quando eu olho para a minha carreira, tem na verdade apenas 2 anos ou 1 ano que não faz sentido, e você e eu sabemos que tem a ver com a fase Younger Now, Malibu. Eu acho que o que aconteceu nele, o que realmente acontece com várias pessoas, e não é para vilanizar seu parceiro, mas você se perde em alguém às vezes. E eu acho que tem sido muito bom nessa jornada pra mim, sentada sozinha e é ok ficar solitária às vezes. Eu questiono algumas decisões, mas eu sei que não mudaria isso, eu estou amando muito quem está sentada aqui, estou muito feliz comigo, amo onde estou, me sinto salva em ser eu mesma porque às vezes nos meus anos mais imprudentes, por mais que alguém pensasse que eu sou precipitada, eu sentia isso em mim mesma. E esses anos não fizeram sentido pra mim mesmo, porque me perdi em outra pessoa e isso acontece com nós. E normalmente isso ocorre com pessoas na mesma idade que eu, estava no começo dos 20 e atrás de portas fechadas, privado, sempre no olho público, com todo mundo comentando sobre tudo, isso seria totalmente normal mas pra mim era só especulação. 
E: Você falou de Malibu e eu acabei de lembrar quando você estava se apresentando no último verão, em Johan’s Beach e seu cara dos balões, tinha tantos balões nos bastidores em Johan’s Beach aquele dia. Esse cara ainda é funcionário? Esse cara ainda tem emprego? 
M: Agora tenho um cara do globo de disco.
E: Quero falar do vídeo, ainda não vi. Temos que esperar a música sair pra todos experienciarmos o vídeo, mas pelo que me contaram, tudo que está nele, artisticamente, obviamente, você dirigiu, está conectado com sua vida e carreira: bola de disco, os animais. Quão excitante foi a produção do clipe e se foi até mais divertido do que a criação da música
M: Com certeza, é meu momento com mais orgulho que eu tive em muito tempo, quando se chega e diz “auto-dirigi”. E de novo, eu fiz tudo muito rápido, mas tem um elemento que é óbvio são globos de disco. E minha fascinação com globos de discoteca é, que são pedaços quebrados colocados juntos para formar um objeto, uma peça mágica que quando a luz, sabe, “no final do túnel sempre há uma luz”, e quando ela chega em você e você ilumina essas peças quebradas, as pessoas ficam hipnotizadas, conectadas e maravilhadas com a beleza que reflete. Então, realmente representa estar eu construída de novo, após estar muito quebrada.
E: Você tem feito isso por um tempo agora, é até estranho dizer que você é uma veterana Miley Cyrus. Alguém na música hoje que te deixa animada?Tem algum artista, seja por exemplo, Dua Lipa, Billie Eilish, Khalid. Alguém que esteja trabalhando em seu caminho para cima que você olha e te deixa animada sobre a música atual?
M: Eu ia falar uma coisa que eu amo sobre a Dua, e ela é uma das minhas amigas mais próximas, é que ela é a melhor ouvinte. E eu realmente percebi, e respeito isso. Ótimos ouvintes também são ótimos colaboradores. Nós fomos capazes de ir no estúdio e escrever algumas vezes. E as coisas que ela se lembra, de algo que eu disse nos bastidores de Glastonbury e traz pra nós. E eu penso “ah então você realmente estava lá, presente“. Eu gosto de ver pessoas incríveis e de bom coração ganhar, então sempre a refiro porque ela é uma boa muito boa.
E: E falando sobre Dua, tenho que apontar isso porque estávamos falando, todo mundo precisa saber. Claro que vimos a foto de você, Dua e (Andrew) Watt. Tem alguma colaboração com a Dua nesse álbum? Alguma colaboração nesse novo álbum?
M: Nós temos trabalhado com música. Na verdade nós escrevemos e tocamos algumas músicas nos últimos anos e sentíamos que queríamos uma que parecesse realmente certa. Eu acho que está ficando quente, acho que começamos algo que parece muito bom.
E: Temos um nome para o álbum ainda?
M: Não temos um título porque eu sinto que nesse tempo, esse álbum que eu fiz até agora, que eu provavelmente fiz 20 músicas, não só com colaboradores como Watt, obviamente com meu cara Mark Ronson e Andrew Wyatt, até com um dos meus amigos antigos Max Martin, então eu meio que tenho trabalhado com todo mundo. Eu realmente acho que o álbum que eu fiz é para festivais, shows, tours. Então para mim, realmente quero esperar até eu poder performar. Minhas performances ao vivo são dirigidas pela música. É onde eu prospero, eu e minha banda. Isso que eu adoraria ver acontecendo num futuro próximo. E eu sou uma pessoa paciente, apesar de não parecer, eu sou muito paciente, então eu acho que eu gostaria de esperar para ficar conectados, para lançar o trabalho completo.
E: Quanto tempo até que a paciência acabe? Porque fica louco.
M: Mas nunca se sabe, se ficar louco, tenho que lançar. Então, não posso te dizer isso agora. Eu tinha uma fila de festivais. Um deles iria ser Stevie Nicks, eu e Megan Thee Stallion. Esse é o melhor line-up de todos. Eu diria que essas são duas das minhas ídolas e eu ficaria feliz estar entre duas das minhas artistas favoritas e eu definitivamente gostaria de estar de volta naquele estádio tocando as músicas
E: Vamos jogar um joguinho rápido antes de você ir. Mas antes você trouxe Megan Thee Stallion. Seus pensamentos em WAP, não vou dizer o que significa
M: Eu absolutamente amei. Eu também amei a brincadeira (com os significados da sigla) “wings and pizza”, “worship and praise”, estamos amando, amamos ver mulheres vencer, é incrível
E: Ok, jogo rápido, de “sim ou não”, “preto ou branco”, “um ou dois” tipos de perguntas que fazemos. É chamado “escolha sobre isto”. Tenho cinco aqui, bem fáceis, só falar o que vier na cabeça, vamos lá. 
M: Perigoso, mas vamos…
E: Chrissy Teigen perguntou para seus seguidores no Twitter se ela é muito velha para ter um piercing no nariz, na idade de 34. Miley Cyrus, 30 anos é muito velho para ter um piercing no nariz?
M: Não! De jeito nenhum! 
E: Harry Styles chamou atenção por deixar crescer seu bigode. Algumas pessoas amaram, outras não gostaram e outras realmente odiaram. Harry Styles com bigode: deixar ou tirar?
M: Gostoso, não importa como.
E: Uma música da Miley Cyrus para tocar na festa. Tem que ser We Can’t Stop ou Party In The USA, qual é?
M: We Can’t Stop porque os EUA tem um trabalho a fazer antes que possamos reconhecer. 
E: Justo. Esta última é divertida. Hálito fresco em uma pitada: chiclete de hortelã ou bala de hortelã?
M: Chiclete de hortelã. Mas eu sou uma mascadora, provavelmente não deveria mascar, mas chiclete de hortelã.
E: Qual a sua marca? Fregells? Trident?
M: Qualquer uma que alguém estiver segurando. Não sou uma diva
E: Hoje em dia, você deveria ter seu próprio chiclete, eu não pegaria de outra pessoa
M: Real. Agora eu teria que por desinfetante na boca aparentemente
E: Vamos terminar aqui. Melhor cuidador de pets: sua mãe ou seu pai?
M: Meu deus, meu pai. 
E: Sério?
M: É igual como se tivesse filhos. Minha mãe eu confiaria a vida deles mais, só que com meu pai eles se divertiriam mais. Eu quero que meu cachorro se divirta
E: Ok. Midnight Sky é fenomenal.
M: Midnight Sky ou Midnight Sky? Sempre Midnight Sky.
E: A música é fenomenal, mal posso esperar para o álbum. Miley Cyrus, muito obrigado por falar com a gente, fique bem, dá um oi para a família, nos falaremos em breve.

Você pode ler outras entrevistas recentes de Miley traduzidas clicando aqui!


Publicada por: Elton Junior
relacionado
20.09.2020
relacionado
19.09.2020
relacionado
17.09.2020
relacionado
11.09.2020
comente a postagem!