07.06.2021


Em 2012, Miley Cyrus estava há um ano fora de sua imagem de sua série de sucesso “Hannah Montana” e pronta para deixá-la para trás. “Ela estava libertando-se de sua prévia existência e realmente lutando com seu novo caminho na música”, lembra o vice-presidente da RCA, John Fleckenstein, que conheceu Miley pela primeira vez naquele ano.

A pop star em construção já havia lançado três álbuns, todos através da gravadora da Disney, Hollywood Records, sendo o seu terceiro “Can’t be Tamed” (2010), o que ofereceu a maior pista de onde ela estaria caminhando. Quando ela conheceu a equipe RCA, ela tocou várias músicas, incluindo uma versão prematura do sucesso que resultaria sua estreia em primeira lugar no Hot 100 da Billboard, “Wrecking Ball”. Porém, foi o hino festeiro “We Can’t Stop” que conquistou o lugar de primeiro single do seu quarto álbum “Bangerz”, e debut na RCA, além de apresentar ao mundo a nova Miley.

“Miley naquele momento estava muito disposta a traçar uma linha na areia e dizer ‘Essa é quem eu sou e o que eu defendo’, e acho que ela que estava sendo muito séria sobre matar o outro personagem”, disse Fleckenstein. “‘We Can’t Stop’ pegou o mundo pelos ombros e o chacoalhou”.

Depois de Miley tocar pela primeira vez a música para RCA, a marca A&R a conectou com o hip-hop hitmaker e produtor Mike Will Made-It, para ajudar a refinar sua nova música e direção; quando eles tocaram “We Can’t Stop” pela primeira vez, Fleckenstein diz que foi uma “explosão imediata. Sabíamos que era algo grande”. E quando a canção e seu vídeo de gente grande, repleto de twerk, foi lançado em junho de 2013, a música virou um sucesso. “Ela estava atingindo um ponto nevrálgico – sabíamos em 24 horas que isso estava acontecendo”.

“We Can’t Stop” atingiu o pico de número 2 na Billboard Hot 100, e Fleckenstein credita sua rápida ascensão ao suporte de rádio, explicando que houve um grande impulso inicial para o airplay naquela época porque o mercado ainda dependia fortemente de recursos físicos e baixar vendas. Cyrus também cantou a música constantemente, parando na maioria dos programas de TV noturnos e entregando uma versão acústica como convidada musical no ‘Saturday Night Live’.

Mas foi seu show de tirar o fôlego ao lado da estrela do R&B Robin Thicke durante o MTV Video Music Awards de 2013 – no qual ela cantou “We Can’t Stop” ao lado de ursinhos de pelúcia e, mais tarde, rebolou em Thicke para “Blurred Lines”, a música que impediu “Stop” de atingir o primeiro lugar – que solidificou o lugar dessa música (e dessa era de Cyrus) na história da cultura pop, para melhor ou para pior. (Apesar do sucesso da faixa, ou talvez em parte para seu benefício, Cyrus enfrentou críticas por apropriação cultural após o lançamento do vídeo, que sua performance no VMA apenas alimentou.)

Embora a produção de “We Can’t Stop” tenha estabelecido uma tendência de entrelaçar as influências urbanas e pop, o que é mais reverenciado agora é o que representava então “A habilidade de Miley de se transformar aos olhos do público assim, e realmente ser tão ousada quanto era para tomar uma direção musical que era tão contra a natureza de qualquer coisa que ela tinha feito antes, e então sair de uma forma tão provocativa no vídeo, realmente mostrou a muitas pessoas – e a muitos outros artistas – que você pode fazer isso ”, diz Fleckenstein. “Isso criou uma nova jogada.”

Cyrus aproveitou suas contribuições justas em evoluções seguintes: ela colaborou com The Flaming Lips no seu lançamento independente “Miley Cyrus & Her Dead Petz” em 2015, se alinhou a suas raízes country em 2017 com “Younger Now”, tranformou-se em uma nova artista pop para a personagem Ashley O em sua participação na série “Black Mirror”, e, mais recentemente, juntou-se a estrelas do rock como Billy Idol e Joan Jett para seu mais recente “Plastic Hearts”. Tudo nos remete a “We Can’t Stop”.

“Quando ouço isso [hoje em dia], penso naquele momento decisivo pelo qual ela passou como artista”, acrescenta Fleckenstein. “Esse vídeo e aquela música basicamente dizem:‘ Isso é o que eu represento ’- e para mim, esse foi um dos movimentos pop mais corajosos que essa indústria viu em muito tempo.”

Miley comemorou os 8 anos de lançamento do single com postagem e suas redes sociais:

Fonte: Billboard | Tradução e Adaptação: Lucas Gomes.


Publicada por: Lucas Gomes

Deprecated: WP_Query foi chamado com um argumento que está obsoleto desde a versão 3.1.0! caller_get_posts está depreciado. Utilize ignore_sticky_posts no lugar. in /home/mileybr/public_html/wp-includes/functions.php on line 5146
relacionado
01.06.2021
relacionado
10.05.2021
relacionado
29.04.2021
relacionado
12.04.2021
comente a postagem!
error: Content is protected !!