15.09.2021

A Metal Hammer é uma revista mensal que é referência dentro da música pesada, que circula no Reino Unido, Irlanda, e sob uma outra editora, em outros países da Europa.

A edição da Metal Hammer classificou o álbum “The Metallica Blacklist” do Metallica da pior para a melhor música:

“De Miley Cyrus a Corey Taylor, de Country Rock a Ghost – todas as 53 faixas do The Metallica Blacklist classificadas do triste ao verdadeiro”

Em agosto de 1991, o quinto álbum homônimo do Metallica causou um impacto instantâneo no mundo da música popular. Depois de duas vitórias no Grammy, um airplay na MTV para um e uma festa de audição do Black Album no Madison Square Garden, seu sucesso estava garantido. Mas ninguém em seus sonhos mais loucos poderia ter imaginado toda a extensão de seu impacto. Ele moldou a vida de todas as bandas de hard rock e metal antes, e desde então – se eles perseguiram os agudos hinos do The Black Album ou os rejeitaram para ir mais longe.

O Metallica não é apenas a maior banda do metal, eles são o maior crossover do metal também. Nos Estados Unidos, The Black Album é o álbum mais vendido dos últimos 30 anos, ponto final. Trinta anos depois, The Metallica Blacklist é a prova definitiva de seu alcance cultural. Com 53 covers das 12 canções do álbum original, apresenta artistas de todos os continentes, de gêneros do pop ao jazz, do latim trap ao piano clássico.

Com mais de quatro horas de duração, The Blacklist é um monumento aos excessos das estrelas do rock, bem como ao amor de toda a vida do Metallica pela música cover. Mas também abre a porta para tantos outros artistas, da mesma forma que The Black Album apresentou o heavy metal a várias gerações.

Aqui, classificamos todas as 53 capas, sem nenhum critério específico, exceto o quão emocionalmente atraentes elas são. Simplesmente não há uma maneira de gravar uma ótima música cover: algumas cabem como uma luva, outras são reinvenções radicais. E isso pode ser Metal Hammer , mas no espírito da Blacklist do Metallica , não favorecemos nenhum gênero.

Não há duas pessoas que concordem com cada capa da Blacklist , mas isso é parte da beleza de um projeto tão colossal. Você pode perguntar: alguém realmente precisa de mais seis versões de Enter Sandman ou 13 de Nothing Else Matters? Depois de ouvir, a verdadeira questão é – como você pode não encontrar pelo menos um para amar?

1. Miley Cyrus feat. WATT, Elton John, Yo-Yo Ma, Robert Trujillo, Chad Smith – Nothing Else Matters

Este é um dos covers mais indulgentes já gravados de qualquer música, por qualquer pessoa. Cada jogador é uma estrela em seu próprio direito, e cada um deles tem sua vez no centro das atenções: Chad Smith traz uma sutileza distintamente não-Lars para seus preenchimentos. Rob consegue estar em posição melhor do que Jason jamais esteve. Elton e Yo-Yo Ma trocam solos de piano e violoncelo. WATT destrói o solo de guitarra como se estivesse tentando roubar o show, enquanto sua produção espumante e barulhenta na verdade tenta superar o próprio Bob Rock. E Miley Cyrus, uma de nossas grandes estrelas pop e rock modernas, nunca, nunca soou melhor; nunca cantada com mais sensibilidade ou peso. Ela é conhecida por fazer covers de músicas a torto e a direito, mas ela nunca soa como ninguém além dela mesma.

Uma capa verdadeiramente transcendente é mais do que a soma de suas partes: é alquimia. Juntos, eles honram Nothing Else Matters como um hino de rock sagrado; o Stairway To Heaven dos anos 90, esculpido em pedra, chegou ao 11. É totalmente excessivo. É o Metallica. E é tudo o que The Black Album deveria ser.

Texto e tradução: Giullya Kiss.

Fonte


Publicada por: Giullya

Deprecated: WP_Query foi chamado com um argumento que está obsoleto desde a versão 3.1.0! caller_get_posts está depreciado. Utilize ignore_sticky_posts no lugar. in /home/mileybr/public_html/wp-includes/functions.php on line 5496
relacionado
22.09.2021
relacionado
17.09.2021
relacionado
14.09.2021
relacionado
11.09.2021
comente a postagem!
error: Content is protected !!