04.12.2020

Nesta manhã (04) Miley Cyrus foi anunciada como capa da próxima edição da revista Rolling Stone. A edição sairá oficialmente em janeiro de 2021. A entrevista ficou a cargo de Brittany Spanos e a fotografia por Brad Elterman.

A seguir você confere a entrevista completa traduzida, onde Miley fala sobre seu novo som selvagem ao estilo rock n’ roll, heróis como Joan Jett e David Bowie, sobriedade e como obter o respeito que merece na música.

O coração rock ‘n’ roll de Miley


O sol está apenas começando a se pôr em San Fernando Valley, Los Angeles, e Miley Cyrus está ocupada “ajustando algumas harmonias”, como ela diz com orgulho. Ela ficou enfurnada em seu estúdio caseiro a tarde toda com o produtor Andrew Watt. Seu novo álbum, Plastic Hearts, já foi feito há muito tempo, mas a dupla ainda tem mais truques na manga, como uma capa do single “Nothing Else Matters” do Metallica de 1992 para um futuro álbum. Cyrus tem cantado o refrão há uma hora, em um rosnado que uma vez fez Waylon Jennings perguntar ao pai dela, Billy Ray Cyrus, por que ele deixou um menino de três anos fumar cigarros.

“Você consegue me ouvir gritando aqui embaixo?”, ela pergunta, surpresa por sua voz ser alta o suficiente para ricochetear nas placas de som com estampa de zebra, descer uma escada decorada com playboys vintage e entrar em sua sala de estar. O espaço é aconchegante, mas ainda há toques surreais e “arco-íris por toda parte”, como ela diz, como pinturas psicodélicas neon e esculturas multicoloridas ao lado de grandes livros de mesa de centro sobre David Bowie e Pink Floyd. Cyrus mudou-se para cá, para o enclave de Hidden Hills, em setembro de 2019, estabelecendo-se ao lado de vizinhos como os Kardashians, Drake e Jessica Simpson. No início, o luxuoso condomínio fechado parecia um pouco “normcore” para ela. E hoje, vestindo uma tainha loira suja, botas de combate e um colete com estampa CBGB, ela parece que se sentiria mais em casa na varanda da Trash & Vaudeville no East Village de Nova York com o resto dos garotos punk.

Nos últimos meses, muitos ouvintes ouviram a voz de Cyrus como se fosse a primeira vez. Em agosto, ela lançou “Midnight Sky”, um cósmico Stevie Nicks com samples dos anos 80, e então passou os próximos meses provando que ela consegue cantar quase tudo. Seus covers transmitidos ao vivo de músicas como “Heart of Glass” da banda Blondie e “Zombie” dos Cranberries se tornaram virais e, quando ela anunciou Plastic Hearts, os ouvintes estavam quase implorando para que ela lançasse um álbum de rock. Ela estava muito à frente deles: Plastic Hearts é um tributo estridente aos sintetizadores, baladas poderosas e deboche geral dos anos 80, com a ajuda de convidados como Joan Jett, Stevie Nicks, Dua Lipa, Billy Idol, Mark Ronson, Chad Smith do Red Hot Chili Peppers e Taylor Hawkins do Foo Fighters. É uma jogada emocionante, mas não do nada. “Um dos meus primeiros shows foi Poison and Warrant,” Cyrus disse, notando que ela quase quebrou a perna quando subiu em uma cadeira dobrável para que pudesse ver. Ela acabou fazendo um cover de uma balada de sucesso de Poison, “Every Rose Has Its Thorn” em Can’t Be Tamed, de 2010, o primeiro álbum que ela lançou como cantora adulta, abandonando seu passado pop adolescente.

Quando nos conhecemos, Cyrus estava algumas semanas antes de completar 28 anos, o que é um pouco difícil de acreditar, considerando há quanto tempo ela é famosa. Ela foi transportada para as casas de milhões de crianças como a estrela adolescente de Hannah Montana da Disney, depois passou seus anos pós-Disney destruindo qualquer resquício de sua imagem de namorada da América cantando sobre Molly, balançando seminua em uma bola de demolição e elaborando um opus pop psicodélico com Wayne Coyne do Flaming Lips.

A ironia do Plastic Hearts homenageando alguns dos anos mais selvagens do rock é que a própria Cyrus está mais centrada do que ela já esteve. “Alguém me disse outro dia: ‘Você parece um pássaro livre que não pode ser segurado’”, diz ela. “Eu realmente não me sinto assim. Eu me sinto ponderada e com os pés no chão. Sou livre, mas tenho responsabilidade. Levo minha saúde mental e física muito mais do que antes.”

Para chegar àquele lugar, entretanto, ela teve que passar dois anos sendo submetida a um espremedor. No final de 2018, a casa em Malibu que ela dividia com o então noivo Liam Hemsworth queimou devido ao incêndio em Woolsey. O casal, que estava noivo há seis anos, se casou um mês depois, mas pediu o divórcio apenas oito meses depois. Cyrus seguiu o rompimento com um par de relacionamentos perseguidos por tablóides, com Kaitlynn Carter de The Hills e seu amigo de longa data Cody Simpson.

Então, em novembro de 2019, ela enfrentou outra curva cósmica: uma cirurgia de emergência para o edema de Reinke, muitas vezes causado pelo uso excessivo das cordas vocais. A cirurgia foi um sucesso, mas a experiência – junto com o medo saudável de ingressar no Clube dos 27 – a convenceu a parar de beber e usar drogas.

“Minha voz é onde mantenho a maior parte do meu valor, para mim mesma e para outras pessoas”, diz ela, esticada em um sofá em formato de “U” em seu estúdio, bebendo uma Heineken sem álcool “só pra sentir o clima”. Pela primeira vez em sua carreira, Cyrus sente que a voz que ela tanto valoriza e as palavras que ela diz estão finalmente sendo levadas a sério. Ela cita Joan Jett, Dolly Parton e Debbie Harry como inspirações do Plastic Hearts: fazer gravações honestas sem sacrificar o glamour que ela adora. “Estou apresentando ao meu público, à minha geração, tudo o que me inspirou e criou este coquetel do caos que eu sou”.

Você sempre pareceu ter um gosto pelo rock, desde fazer cover do Nirvana quando adolescente até cantar “Say Hello 2 Heaven” em um tributo a Chris Cornell no ano passado. Parece que você está esperando para fazer este álbum há anos. Porque agora?

Eu poderia dizer que planejei isso e sou um gênio estratégico, mas gostaria de ser tão estratégica assim. Eu nunca sei que tipo de álbum estou tentando fazer quando começo a fazer. E então, por causa de como meu estilo de vida é e onde estou na minha vida, sempre se encaixa e funciona porque é simplesmente honesto. Eu cresci ouvindo música country; nós somos contadores de histórias. Cada registro é uma narrativa.

Parece que você nunca teve tanto respeito quanto agora. Isso significa alguma coisa para você?

Eu acho que estou realmente abraçando — e todo mundo está abraçando também — a música como prioridade agora. [Ela aponta para uma foto gigante dela lambendo uma casquinha de sorvete tirada em 2013]. Olha para essa porra na parede. Isso não era sobre a música por um momento. A música estava dirigindo, mas todas essas coisas daquela época, especialmente com Bangerz, os momentos da cultura pop quase ofuscaram a música em si. Acho que estou simplesmente apaixonada pelo fato de que, pela primeira vez, parece que tudo está focado na música, e acho que senti que quase levei a culpa pela distração às vezes.

Me lembro de comentários como, “Por que diabos você distrai todo mundo ficando nua e sacudindo sua bunda quando você é uma cantora talentosa?” Mas é porque eu cresci assistindo o show da Cher religiosamente, eu amo o show business. Amo o entretenimento. Amo a cultura pop. Amo momentos inesquecíveis. Acho que havia um equilíbrio em mim amando fazer grandes momentos na mídia, mas também uma tristeza no fato de que eu pensava: “Alguém pelo menos ouviu minha música?”. Quando você pensa em “Wrecking Ball” de 2013, você não pensa na dor. Você não pensa em mim olhando diretamente para a câmera, quebrando a parede, chorando, estendendo a mão. Você se lembra de mim pelada, e eu não sei de quem é a culpa. Eu não sei se é minha ou é a forma como nossos cérebros são programados para pensar em sexualidade, por falta de uma palavra melhor, supera a arte.

Nós estamos reformando essa palavra, “superar”.

Na verdade é uma palavra perfeita para isso. Acredito que há poder na sexualidade. Quando você pensa em “estrelas pop estereotipadas”, você pensa em estrelas pop nuas em um macacão. E isso não é realmente o que é cultura pop. Pop não é isso. Estrelas pop… são como super-heróis.

Eu realmente amo a Dolly [Parton] por sua personagem, pelo o que Dolly como personagem representa, e porque a música é verdadeira. A mesma coisa com Bowie. David Bowie saindo em um terno azul-petróleo e sapatos de plataforma, isso é intrigante pra nós, ele é lindo e ele é um alien. Ele não é pedestre. É isso que cria a fantasia, que cria escapismo. Quando usado com responsabilidade, é um presente incrível que você pode dar ao público. Especialmente em anos como esse.

Essas potenciais “distrações” podem ser o que torna uma música lendária. Você ainda tem sucessos duradouros de seus dias na Disney.

É por isso que adoro ter ídolos como Joan [Jett]. Quando penso nos Runaways, eles eram uma banda adolescente. Foi rebelde porque nenhuma garota estava fazendo o que elas faziam na época, mas elas eram um grupo de garotas adolescentes. Se pudéssemos dar a nós mesmos o crédito que damos a outras pessoas

Meu terapeuta sempre diz, “Sua irmã diria isso para você?” As coisas que digo para mim mesma, eu diria essa merda para outras pessoas que amo? Não.

Eu desacreditei em mim em quase todo a minha trajetória. Durante o Dead Petz, desacreditei no Bangerz. Durante o Bangerz, em Hannah Montana. Durante Malibu, em Bangerz. É quase como se quando eu tivesse evoluído, ficasse com vergonha do que eu era antes. O que o torna adulto, eu acho, é estar BEM com quem você foi antes.

O álbum foi concluído antes de “Midnight Sky” ser lançado?

Foi. Tínhamos praticamente todas as músicas, menos “Midnight Sky”. Eu teria “Angels Like You” como meu primeiro single, e então eu disse, “Vamos para o estúdio. Vamos escrever mais alguma coisa”. Ter Stevie [Nicks] abençoando “Midnight Sky” me fez saber o que era o certo, porque é quase como se ela tivesse validado toda essa era. Está além de uma era.

Acho que estou entrando nisso, é muito importante… Na verdade, uma das razões pela qual eu fiquei sóbria foi porque eu tinha acabado de fazer 26 anos e disse: “Tenho que me recompor antes dos 27, porque 27 é o momento em que você cruza essa limiar para viver ou morrer como uma lenda”. Eu não queria deixar de ter 27 anos. Eu não queria entrar naquele clube. Provavelmente na metade dos 26, fiquei sóbria. Então, como muitas pessoas durante a pandemia, tive uma recaída. Foi realmente uma luta. Saúde mental e ansiedade e tudo isso. Eu me perdi, e agora estou de volta há cinco semanas.

Quando você fala em recaída, você quer dizer beber?

Bebendo. Não uso drogas há anos. Honestamente, nunca mais tento, de novo, ser uma vidente. Tento não ser ingênua. Coisas acontecem, porra. Mas, por estar sentada aqui com você agora, eu diria que teria que estar num dia frio no inferno para eu cair nas drogas.

Eu possivelmente comeria cogumelos. Eu tomei ayahuasca, e realmente gostei, mas não acho que faria de novo.

Isso parece bem intenso.

Muito tenso, você já usou?

Eu não.

Ayahuasca foi definitivamente uma das minhas drogas favoritas. Quando fiz o ritual, perguntei a todos os outros na sala: “Sua vida inteira mudou? Você é uma pessoa nova?”. Todos olharam pra mim e disseram: “Não”. E disseram: “Você é muito extrema. Claro que você tem que ter a viagem mais extrema de todas”. Na verdade, o xamã disse que as pessoas tomam ayahuasca três, quatro, às vezes trinta vezes antes de fazerem o mesmo tipo de viagem que eu fiz.

Eu vi cobras imediatamente, e as cobras vieram, me agarraram e me levaram até a Mama Aya, e ela te acompanha por toda a viagem, e foi muito doido. Mesmo assim eu adorei.

A letra de “Angels Like You” que realmente me impressionou é “Eu sou tudo que eles disseram que eu seria”. Você foi uma figura pública por metade da sua vida e percebeu um milhão de maneiras diferentes. Como você acha que é vista hoje?

Hoje é muito diferente. Acho que desde “Midnight Sky” muita coisa mudou. Acho que sempre tive um nível de respeito, eu fui muito rotulada com a palavra L, “louca”. Era que eu estava louca, que estava, mesmo em alguns momentos, fria ou incapaz de me acalmar. E era disso que se tratava “Angels Like You”. Eu sou o estereótipo. Eu sou o que você pensou que eu seria, sou tudo o que disseram que eu seria. Eu tive um pouco de culpa ou vergonha com aquela música da maneira que foi escrita, mas agora que a ouço, é realmente apologético. Está dizendo: “Não é sua culpa eu estragar tudo, e não é sua culpa que eu não posso ser o que você precisa.” Minha independência e, eu acho, meus instintos de sobrevivência fazem com que eu pareça egoísta.

É engraçado que as pessoas acusem você de não conseguir se estabelecer. Não consigo pensar em nada mais estabilizador do que casar com alguém que você começou a namorar quando tinha 17 anos.

Exatamente. Nos últimos dois anos, eu acho, nós fizemos um grande progresso, especialmente quanto as mulheres e seus corpos. Eu nem sei se você realmente pode se envergonhar agora. Isso é mesmo algo para se ter vergonha? A mídia realmente não me envergonhava por muito tempo. Em um ponto eu estava tipo, “Ei, quando eu tinha 16 anos você destacava meus seios e coisas assim… Eu quem era o cara mau?” Acho que as pessoas estão começando a dizer: “Espere, espere, espere. Isso foi foda.” Eles estão começando a saber quem era o inimigo e quem era a vítima.

Você acha que o intenso escrutínio sobre sua sexualidade e corpo teve um efeito duradouro em você desde tão jovem?

Eu não consigo me lembrar se isso feriu meus sentimentos ou não. Eu não me lembro de ser realmente penetrante. Acho que sabia quem eu deveria ser, mas tenho certeza de que há algo aí. Algum trauma de me sentir tão criticada, eu acho, pelo que eu senti foi uma exploração bem comum na adolescência, no início [dos vinte anos].

Como seus pais lidaram com a situação quando você teve fotos pessoais vazadas ou quando alguns alegaram que você estava dançando num pole dance como uma stripper no Kids Choice Awards?

Meu pai ignorou porque foi como qualquer adolescente com seus pais tipo, “Vamos, por favor, não ter essa conversa”. Minha mãe, acho que ficou muito brava. Acho que ela sentiu que poderia ser uma distração do que eu estava fazendo. Ela conhecia a voz e os talentos que eu poderia mostrar. Ela estava tipo, “Que porra é essa? Você tem a maior música. Você pode falar sobre música? Por que você tem que fazer isso sendo uma stripper?”

Você lembra da primeira música que escreveu?

“Pink Isn’t a Color, It’s an Attitude”. “It’s the sparkle in the shine. It’s the green and the grass to kick in the ass”. Essa foi a minha primeira música. É uma da Avril Lavigne. Eu estava fazendo pop rock. Eu escrevi uma música chamada “Evil Mother in the Dead of the Night” que era sobre a minha mãe tentando comprar felicidade no shopping porque minha mãe sempre me levava ao shopping e eu fingia ser um manequim. Eu tinha uma multidão ao meu redor porque eu posaria por muito tempo. Era sobre ela ser superficial. Quando fui pra casa, peguei meu diário e cantei pra ela, e ela disse: “Sua vadiazinha”.

Quantos anos você tinha?

Provavelmente comecei a escrever canções quando tinha 10 anos. Provavelmente é algum tipo de problema de publicação. Eu teria sido processada se essa fosse uma música de verdade, porque comprei algo na feira que dizia: “Rosa não é uma cor, é uma atitude”. E eu pensei, isso é genial. Eu comecei uma banda chamada Blue Roses, e nossa primeira música foi “Pink Isn’t a Color”, então tínhamos o azul e o rosa. Essa foi minha primeira banda. Era uma banda de rock feminino.

Você ainda escrevia muito quando Hannah Montana começou?

Eu estava sempre escrevendo. Eu escrevi o álbum Meet Miley Cyrus com meu colaborador de “7 Things”. Isso é tão honesto quanto qualquer coisa que escrevo hoje. Eu entrei no estúdio e acho que disse: “Estas são as sete coisas que mais odeio nesse cara que quebrou meu coração.” E ele disse: “Bem, vamos escrever ‘7 coisas ’então.” “Fly on the Wall” era realmente sobre a mídia naquela época. Eles já estavam começando a me rotular como “A queridinha da América que deu errado”. Eu estava pensando: “Se você pudesse ser apenas uma mosca na parede. É pior do que você pode imaginar.” Ou melhor, eu acho.

Deve ter sido difícil chegar como uma estrela pop fora do show.

Eu tive que evoluir porque Hannah era maior do que a vida, maior do que eu. Senti que nunca alcançaria o sucesso de Hannah Montana. Foi assim que Lil Nas X realmente conheceu meu pai. Ele cresceu assistindo Hannah Montana e disse: “Eu quero fazer uma música com Robby Ray”. Isso foi literalmente o que aconteceu. Ser o ídolo de um jovem queer que poderia se tornar um Lil Nas X e criar uma identidade inteira para si mesmo ao se inspirar ao me ver crescendo. Ou ouço artistas como Troye Sivan dizerem que se sentiu mais confortável com sua sexualidade quando eu lancei “My Heart Beats for Love”.

Quando meus colegas estão tendo essas experiências e se aceitando por causa de algo que demonstrei quando eles eram crianças, é quando eu digo, “Merda, eu sou Hannah Montana.” Realmente, Hannah Montana não era só uma personagem. Não era sobre isso que o show era. Era sobre uma garota normal com uma porra de uma peruca. Tudo sempre esteve em mim. O conceito do show, sou eu. Eu realmente tive que chegar a um acordo com isso e não ser uma terceira pessoa sobre isso.

Você tem um medo semelhante agora quando se trata de Miley Cyrus, a estrela pop? Você se preocupa que seu passado ofusque seu presente?

Eu sinto que superei esse medo. Estou tão focada no que estou fazendo e quem eu sou. Tudo que eu sempre quis é respeito como artista e ter orgulho do que faço. Eu acho que isso vem com a dedicação e diligência que eu realmente coloquei esforço. Eu coloquei no trabalho.

Você chega a um ponto em que os números e as manchetes não fazem a mesma reação química em seu cérebro que faziam no início. Na verdade, há uma liberação de dopamina que é despejada em seu crânio quando as pessoas estão delirando sobre você ou quando você passa por uma banca de revista e está em todas as capas. Encontrar o equilíbrio que tenho agora tornou tudo mais fácil para mim. Ele engoliu completamente aquele medo e o cuspiu.

Você não sai com uma grande turnê em uma grande arena desde Bangerz. Havia uma razão consciente para ficar longe isso?

Eu acho que é expectativa. São tantos lugares para ocupar, e isso significa que muitas pessoas têm que gostar de você.

Depois que Younger Now foi lançado em 2017, você decidiu não fazer turnê e, em vez disso, ficou em casa com seus porcos, como você disse naquela época, e Liam. Como foi isso?

No início de 2018, eu estava brincando de casinha, o que era muito bom na época. Agora tenho essa perspectiva saudável que não tinha antes. Aprendi muito sobre o que posso e não posso ser para outra pessoa e o que posso e não posso aceitar para mim mesma.

Alguns anos atrás, parecia que eu estava vivendo um conto de fadas. Realmente não foi. Naquela época, minhas experiências com drogas e bebidas e o círculo de pessoas ao meu redor não eram satisfatórias, nem sustentáveis, nem jamais me levariam ao máximo de meu potencial e propósito.

A experimentação com drogas e bebida estava acontecendo simultaneamente com o brincar de casinha?

Ao mesmo tempo. Tem um pensamento que durante a era Younger Now, eu era pura. A mídia gosta de rotular meu cabelo e minha aparência como pontos de referência para minha sanidade. “Cabelo comprido e loiro, ela está sã agora. Ela não pode se foder com drogas. É quando seu cabelo está pintado ou ela está deixando os pelos das axilas crescerem [que] ela usa drogas.”

Essa também é uma visão muito estereotipada da feminilidade e das mulheres.

Cem por cento. “Ela tem um homem. Ela está morando em uma casa brincando de esposa.” Cara, eu estava muito mais fora do meu caminho naquela época do que em qualquer uma das vezes antes, onde minha sanidade estava sendo questionada. Não gosto de dizer nada de uma forma muito sólida e concreta, mas agora tenho me concentrado na sobriedade, pois queria acordar 100 por cento, 100 por cento do tempo. Se eu alguma vez aprendesse a me equilibrar e a não ir muito longe, eu o faria. Mas até agora, sempre que mexi com isso, não me deu o que eu queria.

Eu não acredito na manifestação de sentar na cama pela manhã, com o dedo indicador e o polegar se tocando e meus olhos fechados e esperando. Aquela época da minha vida simplesmente não era para mim.

A sobriedade era mais uma escolha ou mais uma necessidade

A sobriedade era uma escolha. Depende de como você olha isso. Acho que é necessário cumprir meu propósito agora. Tento reservar tudo por agora, porque senão vira uma afirmação [e] aquela pressão de manter. Acho que é o que “Midnight Sky” diz, “Para sempre e nunca mais.” Não há mais declarações concretas.

Você reavaliou o que parecia divertido para você?

Eu sou muito boa em parar com coisas. Eu tenho uma máquina de maconha bem ali. Eu nunca fumei nada dela e está cheia. [Se] eu tivesse uma máquina de cocaína, ela poderia não estar cheia. Essa é a coisa. Eu realmente não sou uma viciada. Você pode ter isso. Você é bom. Para mim, diversão é quando eu sinto que realmente exibo ou alcanço todo o meu potencial. Quando o teto de vidro quebra. Isso é divertido pra caralho para mim.

Não consigo imaginar como foi perder uma casa em um incêndio florestal. Como isso afetou você no final de 2018?

De certa forma, ele fez o que eu não poderia fazer por mim mesma. Ele me removeu do que não estava mais servindo ao seu propósito. E então, quando você se afoga, você alcança aquele salva-vidas e quer salvar a si mesma. Eu acho que é realmente isso que, em última análise, se casar foi para mim. Uma última tentativa de me salvar.

A última música solo que você lançou antes da cirurgia nas cordas vocais foi “Slide Away”, que parecia uma declaração crua no final do seu casamento. Quando você escreveu essa música?

Eu ainda estava no meu relacionamento, ainda morava na minha casa em Malibu. É por isso [que eu cantei], “Eu quero minha casa nas colinas”. Eu queria sair de lá e dizia: “Não quero uísque e pílulas”. Eu não queria manter esse estilo de vida. É muito estranho porque nunca consigo descobrir o que vem primeiro: arte ou vida? A arte imita a vida ou a vida imita a arte? Ou você fala isso para a existência? Sou tão poderosa que, quando escrevo algo, me torno isso?

Eu penso em fazer música às vezes como um sacrifício porque você acaba escrevendo músicas que podem machucar as pessoas, que podem machucar uma pessoa, mas fazem você se sentir menos sozinha. É tipo, vale a pena? Vale a pena escrever uma música que seja tão honesta? Dolly disse que cada história tem dois lados. Quando você conta o seu lado da história, isso é justo? Você não faz músicas para machucar alguém, mas eles fazem. Músicas como “Angels Like You” não são fáceis de ouvir quando sabem que é sobre eles. “Você vai desejar nunca ter nos conhecido no dia que eu partir.” A música pode ser um sacrifício.

Em “Hate Me”, você contempla o que acontecerá se você morrer. Você costuma pensar em sua própria mortalidade?

Acho que a mortalidade de todos perdura de alguma forma. Acho que pensar na vida e pensar na morte faz parte da gratidão. Ter medo das coisas inevitáveis ​​é apenas perda de tempo. Tentei pensar muito sobre cada segundo da minha vida e fazer com que realmente importasse. Isso é o que realmente tem sido uma espécie de cura para mim, seja com ansiedade, ciúme, ressentimento, amargura.

Isso tinha muito a ver comigo e com minhas idas e vindas com sobriedade. É como se eu quisesse me ferrar e viver a vida ao máximo. Mas é realmente viver a vida ao máximo se você não consegue se lembrar [de nada]? “Viva rápido, morra jovem” não é realmente o objetivo. Eu quero me esforçar. Eu quero ver se posso me tornar menos sólida e presa nesta forma física de nós mesmos, e como podemos expandir, que eu acho que é o que a música faz.

Na verdade eu sinto isso, fisicamente, em dias como hoje, quando “Prisoner” está sendo lançado, saber que o nascimento desse álbum está para acontecer. Eu posso realmente me sentir, não meu eu físico, mas nesta forma de alma, sendo puxado em todas essas direções diferentes. Pode ser muito difícil se trazer de volta a uma existência pesada e pesada que está ancorada e estabelecida, porque é muito perturbador ser puxado por todas essas outras consciências por todo o lugar.

Qual você quer que seja o seu legado?

Eu quero ajudar a estabelecer um caminho para a próxima geração de artistas, filantropos, da maneira que Debbie Harry fez por mim. Eu gostaria de ser conhecida como alguém que criou algo que não existia exatamente, ou que entreguei algo que ninguém sabia que precisava ou queria, mas quando tiveram, sentiram que não poderiam viver sem isso. Isso é o que eu gostaria como artista.

Mas não tenho ideia de como diabos eu gostaria de ser lembrada. Eu sou uma filha muito perversa. Eu acho que sou muito dedicada à minha família. Sinto que lutei pelo que realmente queria, seja lutar pelos direitos ou contra as injustiças, trabalhando com a Happy Hippie Foundation. Eu gostaria que isso fosse uma prioridade. Eu gostaria de ter sido pioneira, mas acho que é realmente difícil falar sobre isso porque ainda estou aqui, com muito a fazer. Eu realmente não poderia dizer como gostaria de ser lembrada, porque todas as coisas pelas quais espero ser lembrada ainda não aconteceram.

Tradução e Adaptação: Elton Junior, Lívia Bastos & Welison Fontenele – Equipe MCBR

Fonte: RollingStone.com


Publicada por: Miley Cyrus Brasil

Deprecated: WP_Query foi chamado com um argumento que está obsoleto desde a versão 3.1.0! caller_get_posts está depreciado. Utilize ignore_sticky_posts no lugar. in /home/mileybr/public_html/wp-includes/functions.php on line 5144
relacionado
12.01.2021
relacionado
08.01.2021
relacionado
03.01.2021
relacionado
01.01.2021
comente a postagem!
error: Content is protected !!