11.09.2021

Na tarde da última quinta-feira, 09, Miley Cyrus foi ao programa radialístico The Howard Stern Show para apresentar pela primeira vez a sua versão da música “Nothing Else Matters” com a banda Metallica, presente no álbum “The Metallica Blacklist“, relançamento do “The Black Album” que comemora 30 anos do álbum com covers de artistas do pop ao country.

Na entrevista, Cyrus é altamente elogiada pelos membros da banda de rock norte-americana e o cantor britânico Elton John, também presente. Além da troca de elogios, a cantora também conversou com Howard Stern sobre o motivo de não transmitir seus shows em plataformas de streaming, o significado da música do Metallica na época de seu divórcio & muito mais!

Confira abaixo o vídeo da apresentação e a entrevista com tradução e adaptação da equipe Miley Cyrus Brasil:

O que Elton John disse para Miley sobre se tornar uma cantora de rock

Metallica: Nós temos um anúncio. A gente ia falar mais tarde, mas a Miley vai se unir ao Metallica. 

Miley: Sim! MI-tallica. Metallica-ley.

Metallica: Finalmente, estávamos procurando faz 4 anos. James queria tocar guitarra e estava cantando nos primeiros meses só pra gente começar, mas agora tudo isso está no passado. Olá, mundo, essa é a nova vocalista!

Howard: Bom, eu vou falar da Miley primeiro. A dificuldade da Miley – ou não necessariamente uma dificuldade – mas ela foi colocada quando criança em um programa da Disney, Hannah Montana. E, de certa forma, foi mais difícil para ela conseguir provar sua credibilidade no rock ‘n roll e o fato de ela ser maior que apenas uma cantora de pop. O Metallica, vocês tiveram suas infâncias e puderam formar sua vibe e o que queriam fazer. Conseguem imaginar ter 7, 9 anos – eu não sei qual idade você tinha quando iniciou Hannah Montana, Miley, mas era bem nova. Você não consegue formar sua identidade roqueira, se é isso que tem dentro de você. Entende?

Miley: Muito do rock ‘n roll também é sobre fazer as pessoas falarem e se questionarem e dizerem algo. E foi por isso que eu originalmente fiz o cover de Nothing Else Matters porque valida tudo que eu venho fazendo, o que não é algo que eu procure sempre, mas é bom saber que eu sou… Por que com certeza aconteceu um período de transição meio turbulento em que meus fãs se sentiriam desapontados se eu deixasse uma certa identidade para trás, como se estivesse os abandonando também. Mas tem sido uma jornada de levá-los juntos comigo, e consegui fazer isso através de covers, antes de mudar minha própria sonoridade. 

Howard: Elton, sei que temos você aqui por pouco tempo.

Elton: Deixa eu falar sobre a Miley. Posso?

Howard: Primeiro, deixe eu falar isso. Miley é uma ótima cantora e uma ótima roqueira. E ela passou por muitas coisas para provar para o público que ela realmente consegue fazer rock com os melhores. Eu me sinto muito feliz quando assisto aos vídeos da Miley e você lê comentários do tipo: “Uau, a Miley é roqueira! Ela tem a voz” etc. Mas foi uma caminhada difícil para ela se provar, certo?


Elton: Ela não precisa [se provar]. Ela fez algumas coisas com a Whisky [a Go Go], ela cantou Zombie. E eu falei pra ela: “menina, depois que tudo isso passar, você tem que arranjar uma banda e sair fazendo rock” porque quando eu ouvi ela cantando Nothing Else Matters eu não consegui acreditar. Ela começa com uma voz bem baixa e é surpreendente a voz dela. Ela é provavelmente a melhor cantora de rock ‘n roll do momento. Sem dúvida. Eu sei que ela está frustrada por não conseguir se apresentar devido a Covid, mas faz tempo que ela quer fazer isso e agora ela pode e as pessoas vão se surpreender.

Elton John chama esta faixa do Metallica de “uma das melhores músicas já escritas”

Howard: Miley, você fez esse cover do Metallica, mas o Elton John tocou piano nele. E conosco, agora, temos o Elton John dizendo um “alô”.

Elton John: Oi, garotos! Oi, Miley!

Metálica: Olá, Elton. Como vai?

Howard: Elton, fale comigo sobre o Metallica por um momento. Você está lançando seu novo álbum também. E essa música que você fez com a Miley aparece em ambos os álbuns. Aparece no álbum do Metallica, aparece no seu álbum. Estamos falando sobre Nothing Else Matters.

Trabalhando com a Miley e tocando piano em uma música do Metallica, as pessoas naturalmente pensam “Oh, Elton John não toca música do Metallica”. Mas esse é um tipo de música do Elton John, é lindo a parte do piano que você trouxe para essa música.

Elton: Bom, essa ideia veio do Andrew Watt, que produziu a música e tocou guitarra nela. E ele disse “Eu quero que você comece e finalize a música. Eu não quero começar com uma guitarra, porque é desse jeito que a versão original começa”. E, olha… Essa é uma música que contém uma das melhores composições, para mim. É uma música que nunca envelhece e tocar piano nessa faixa foi uma coisa que mal pude esperar. Porque a estrutura dos acordes, a melodia, a mudança do ritmo. Tem um drama por toda a parte. E eu pensei que fosse uma ótima ideia começar com o piano.

Eu tenho que falar, tocar essa música foi uma decisão óbvia. Metallica é, provavelmente, o suprassumo dessas bandas. Você realmente não pode defini-los como uma banda de heavy metal. Eles são uma banda musical. As músicas deles não são apenas de heavy metal, são lindas músicas e essa é uma música tão melódica. É uma puta de uma ótima música, na verdade.

Howard: É realmente foda pra caramba e eu amei a colaboração entre você e a Miley. E a forma em que você interpretou através do piano é uma coisa realmente difícil de fazer.

Elton: Eu acho que é porque a música é tão melódica, sabe… É uma música realmente bonita. Se você tirar todas as guitarras e cantar a música em acapella é como uma Greensleeves. É uma linda melodia, então quando você tem uma linda melodia para tocar com todo o resto rolando, é uma justaposição dos instrumentos musicais. Então eu achei realmente fácil, quero dizer, é uma daquelas músicas clássicas, é uma clássica obra musical.

Howard: Como é pro Metallica ouvir o Elton John falar essas coisas? Porque, primeiro, eu sei que vocês… Quer dizer, nem em seus sonhos mais loucos eu acho que vocês imaginaram Elton John gravando uma música da banda.

Metallica: Eu estou aqui sentado, celebrando nosso 40º aniversário esse ano. E se você dissesse isso há 40 anos atrás quando o James e eu começamos em uma garagem em Norwalk, se você pudesse dizer isso 40 anos depois que a gente ainda estaríamos na ativa, que estaríamos sentados aqui, com uma das mais incríveis estrelas sentadas ao nosso lado, com o Elton John na videochamada em uma rádio falando sobre realização e sobre o que essa música significa para várias pessoas, isso seria um delírio da minha mente. É realmente louco e legal sentar aqui e ser capaz de ouvir o que você acabou de falar, Elton. Sentado ao lado do James, estamos fazendo isso juntos há 40 anos. A reação que podemos sentir através da linguagem corporal dele quando você disse que era uma das mais incríveis composições já escritas. Eu sei o quanto isso significa para você e tipo, isso é incrível de ouvir, então obrigado.

Elton: Essa é uma ótima banda, uma das melhores bandas de todos os tempos. São o 40º aniversário deles, é um álbum clássico, é um prazer prestar um tributo para pessoas como essas. E, sabe… Uma das coisas mais legais sobre isso é que, após todo esse tempo, é difícil estar em uma banda. São diferentes personalidades e esses caras ainda estarem juntos, eu realmente admiro isso porque é uma das coisas mais difíceis do mundo.

Então, para o Metallica, eles são uma das maiores bandas de todos os tempos.

Miley Cyrus revela o motivo de não transmitir seus shows em plataformas de streaming

Miley: Tem algo que muda muito com a música ao vivo. Eu estou tão feliz de estar de volta na vida real fazendo shows, vendo os fãs e vendo suas reações porque nas reações pessoalmente você vê o público se animar mesmo quando você erra porque eles estão tão animados de estar lá e experimentar aquilo, porque eles ouviram esse álbum um milhão de vezes então quando eles escutam você errando eles sabem que é ao vivo e que estão presenciando algo que é único, ao invés de ser online. Eu acho que você definitivamente ficaria muito mais chateado…

Miley: Eles sabem que estão experimentando algo que é único ao invés de algo online. Eu acho que você definitivamente ficaria mais chateado com alguém se você tivesse esse cenário online, onde todos se sentem validados. A sessão de comentários é um lugar muito perigoso que eu não visito mais, especialmente se estou fazendo algo do Metallica onde, você sabe, nossos fãs têm suas perspectivas sobre mim. Então é por isso que me sinto tão sortuda quando eles meio que validam essa versão que eu fiz, porque na primeira vez que fiz esse cover no Glastonbury muitas pessoas disseram que foi ok, mas você sabe que sempre tem aqueles fãs de coração que dizem “vamos lá, não destrua o Metallica. Não traga Metallica nisso”. Então agora as sessões de comentários são um lugar que eu não vou com frequência, mas que muda tudo. Música ao vivo é sobre cometer erros. 

Howard: Você está tão certa! Vocês (Metallica) se imaginam começando a carreira no meio dessa porra de era das mídias digitais com esses babacas dizendo que você não é bom o suficiente? Isso pode ser devastador. Eu estou ao lado da Miley nisso. Não leio merda nenhuma desses comentários porque não quero saber disso, sabe?

Metallica: Sim. Existe muita morte pela internet se você procurar sobre isso, e eu tenho um tempo difícil só por ser eu mesmo, então eu não preciso de outra pessoa ajudando a me colocar pra baixo. Eu preciso de alguém que me ajude a reerguer. Você foi espetacular! (falando com a Miley) Foi da maneira que deveria ter sido, e nós faremos de um jeito diferente da próxima vez. 

Miley: Exatamente! 

Howard: E eu amei o que você disse sobre ser ao vivo, então você tem essa performance específica. 

Miley: Sim! Eu acho que agora as pessoas se acostumaram muito com shows em plataformas de streaming, direto de casa. Parte da experiência de um show é, digo isso pelo menos para os meus fãs, quando eu saio em turnê isso dá a eles uma iniciativa para trabalhar duro porque eles vão trabalhar para conseguir esse ticket dourado para ir ver o show. Isso dá razão para eles viverem. Quando eu era criança eu lavava janelas durante o verão para que eu pudesse ir ver Old Town, e era assim que era. Então isso dá iniciativa para os meus fãs, dá um sonho. Com shows em streaming, eu não tenho feito isso. Sou uma das únicas artistas nesses festivais que recusou shows em streaming, não apenas porque quero segurar o show para mim mesma….

Miley: … eu quero compartilhar, mas quero que as pessoas tenham que ir me ver ao vivo para me ver ao vivo. Porque quando você comete um erro, estando no lugar e sentindo esse erro me ouvindo dizer “porra! Aumente meu retorno.”, “porra! Perdi o timing!” é algo especial. É um momento que você tem que estar lá. Você quer que as pessoas tenham inveja da sua experiência no show, não dizer “eu vi isso online também”. Então eu sou bastante privada com meus shows para os meus fãs, para que eles tenham uma experiência.

Miley Cyrus fala sobre o significado da música “Nothing Else Matters”, seu divórcio e o incêndio de sua casa

Miley: Quando eu comecei a fazer cover dessa música foi para o Glastonbury porque era sobre honrar a música e nada mais importa naquele momento. Quando você está no Glastonbury, não tem nada das merdas que falam sobre mim. É o meu momento de me provar porque o foco é só a música. Quando eu fiz o Glastonbury foi a primeira vez que eu não tinha nenhum truque [de palco]. Eu usei calças e uma blusa. E foi um pouco antes do mundo saber que eu estava me divorciando, mas eu já sabia fazia umas duas semanas. E eu tinha acabado de perder minha casa nas queimadas. Esse era meu primeiro show de volta, então Nothing Else Matters pra mim era sobre a música. Toda essa conversa ressoa muito comigo. Ouvir o James dizer que estava com medo e sabendo que, naquele momento, eu estava com medo de muitas coisas. Eu estava de coração partido e meu propósito estava sendo essa apresentação. Eu fiquei sóbria naquela época, eu realmente me ajeitei. E foi essa música que me levou para esse lugar porque eu sabia que nada mais importava. Minha vida amorosa estava desabando, mas eu tinha meu amor pela música. Essa é minha carta de amor para a música. É isso que significa pra mim. 

Miley Cyrus e Howard Stern sobre a transição musical da cantora para o rock

Howard: A maior dificuldade da Miley. Bem, não digo dificuldade, mas ela foi inserida nesse seriado da Disney “Hannah Montana” e de certa forma foi difícil para ela provar a credibilidade no rock. E o fato dela ser uma grande artista além do pop music. Diferente do Metallica, vocês tiveram sua infância na sua vibe, no que queria realmente fazer. Vocês conseguem imaginar ter 7 ou 9 anos de idade, não sei qual a idade você começou Hannah Montana, Miley, mas era muito nova. E isso não permitiu que você desenvolvesse sua identidade rock que estava dentro de você, entende o que eu quero dizer?

Miley: Muito do rock ‘n’ roll é fazer as pessoas falarem e questionarem. Foi por isso que eu originalmente fiz o cover de “Nothing Else Matters”. Isso de certa forma valida o que eu tenho feito. De novo, não é uma coisa que eu sempre procuro, mas certamente algo que eu sei que eu sou. Porque foi meio que uma transição para o rock, com certeza. Muito dos meus fãs sentem decepcionados, sentem que eu começando uma nova identidade eu possa deixar eles para trás também, mas parte dessa jornada é levar eles juntos comigo. Por isso que antes de transicionar para minha própria música, eu faço covers.

Confira abaixo a entrevista legendada + performance:


Publicada por: Miley Cyrus Brasil

Deprecated: WP_Query foi chamado com um argumento que está obsoleto desde a versão 3.1.0! caller_get_posts está depreciado. Utilize ignore_sticky_posts no lugar. in /home/mileybr/public_html/wp-includes/functions.php on line 5496
relacionado
20.10.2021
relacionado
30.09.2021
relacionado
22.09.2021
relacionado
20.09.2021
comente a postagem!
error: Content is protected !!